“Jornal da Gazeta” cresce com Diário das Ruas

Leia também

Fabio Maksymczuk
Fabio Maksymczukhttp://www.fabiotv.com.br/
Jornalista, membro do júri de TV na APCA, editor do portal FABIOTV, blogueiro e colunista do Além da Tela, com passagem pelo Portal Imprensa (2009/15) e UOL TV Blogs

Olá, internautas

Siga-nos:
    Whatsapp    Facebook     Twitter / X    

Mesmo com o desmonte da programação da TV Gazeta e a série de demissões que atinge a emissora há alguns anos, o “Jornal da Gazeta” permanece sendo uma das atrações mais sólidas do canal da Fundação Cásper Líbero.

- Publicidade -

O telejornal, ancorado por Laerte Vieira e Luciana Magalhães, exibiu, nesta semana, a série “Diário das Ruas 2”. A gerente de jornalismo, Valeska Quintela, comandou cinco reportagens especiais sobre as “pessoas invisíveis” que percorrem as ruas da cidade de São Paulo.

Em uma delas, a jornalista “sentiu na pele” a vida de uma catadora de lixo reciclável. Conduziu uma carroça por uma hora e meia ao lado de um catador. No final dessa jornada, carregou 130 quilos de materiais diversos, como ferro, papelão e plástico, avaliados em 30 reais.

- Publicidade -

Em outra matéria, conheceu a Casa Florescer e Casa João Nery que abrigam transexuais. Entrevistou travestis, mulheres trans e homens trans que relataram seus dilemas. Em outro dia, conheceu o drama de estrangeiros que moram nas ruas da capital paulista, como um moçambicano que revelou o racismo sofrido no Brasil e uma família angolana.

Valeska também apresentou a relação genuína entre os moradores de rua e seus animais de estimação. Na sexta (15/12), a série terminou com um retrato sobre a Cracolândia que se espalhou pela região central da metrópole.

A segunda temporada da série “Diário das Ruas” fortaleceu o “Jornal da Gazeta”. Humanizou dados estatísticos que marcam os telejornais, além de ter levado ao telespectador um material próprio do Departamento de Jornalismo da TV Gazeta.

Cumpriu a missão do jornalismo em conhecer, de perto, os dramas desses habitantes da cidade de São Paulo.

- Publicidade -

Olá, internautas

Siga-nos no     Whatsapp    Facebook     Twitter / X    

Mesmo com o desmonte da programação da TV Gazeta e a série de demissões que atinge a emissora há alguns anos, o “Jornal da Gazeta” permanece sendo uma das atrações mais sólidas do canal da Fundação Cásper Líbero.

O telejornal, ancorado por Laerte Vieira e Luciana Magalhães, exibiu, nesta semana, a série “Diário das Ruas 2”. A gerente de jornalismo, Valeska Quintela, comandou cinco reportagens especiais sobre as “pessoas invisíveis” que percorrem as ruas da cidade de São Paulo.

- Advertisement -

Em uma delas, a jornalista “sentiu na pele” a vida de uma catadora de lixo reciclável. Conduziu uma carroça por uma hora e meia ao lado de um catador. No final dessa jornada, carregou 130 quilos de materiais diversos, como ferro, papelão e plástico, avaliados em 30 reais.

Em outra matéria, conheceu a Casa Florescer e Casa João Nery que abrigam transexuais. Entrevistou travestis, mulheres trans e homens trans que relataram seus dilemas. Em outro dia, conheceu o drama de estrangeiros que moram nas ruas da capital paulista, como um moçambicano que revelou o racismo sofrido no Brasil e uma família angolana.

Valeska também apresentou a relação genuína entre os moradores de rua e seus animais de estimação. Na sexta (15/12), a série terminou com um retrato sobre a Cracolândia que se espalhou pela região central da metrópole.

A segunda temporada da série “Diário das Ruas” fortaleceu o “Jornal da Gazeta”. Humanizou dados estatísticos que marcam os telejornais, além de ter levado ao telespectador um material próprio do Departamento de Jornalismo da TV Gazeta.

Cumpriu a missão do jornalismo em conhecer, de perto, os dramas desses habitantes da cidade de São Paulo.

Curte o nosso conteúdo? Siga-nos também no:
Telegram    Mastodon     Linkedin
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas notícias