“Gênesis” permanece com fôlego em fase Abraão

Leia também

Fabio Maksymczuk
Fabio Maksymczukhttp://www.fabiotv.com.br/
Jornalista, membro do júri de TV na APCA, editor do portal FABIOTV, blogueiro e colunista do Além da Tela, com passagem pelo Portal Imprensa (2009/15) e UOL TV Blogs

Olá, internautas

Siga-nos:
    Whatsapp    Facebook     Twitter / X    

“Gênesis” continua com bons índices de audiência pela Record TV. A trama normalmente gira ao redor da casa dos 13 pontos de média, o dobro do patamar alcançado pelo SBT. A novela de Camilo Pellegrini, Raphaela Castro e Stephanie Ribeiro com direção-geral de Edgard Miranda ganhou bom desenvolvimento na fase Abraão que foi antecedida por Ur de Caldeus.

- Publicidade -

Os autores tangenciaram a “subversão” de Sodoma e Gomorra e não entraram diretamente na questão da homossexualidade que poderia render polêmicas. A novela reúne centenas de atores e atrizes. Na fase Abraão, até Sula Miranda ganhou uma oportunidade ao interpretar a sacerdotisa Quirá.

Seguem os pontos positivos e negativos desta fase.

- Publicidade -

PONTOS POSITIVOS

Zécarlos Machado (Abrão/Abraão) – o ator protagonizou a fase Abraão com brilhantismo. O telespectador, até o presente momento, vive o luto do personagem.

Adriana Garambone (Sarai/Sara) – a atriz formou uma boa dupla com Zécarlos Machado em “Gênesis”. Os dois já tinham atuado juntos em “Os Dez Mandamentos”. O bom entrosamento apareceu na tela.

Marcos Winter (Massá) – mais um ator que emprestou a sua experiência em “Gênesis”. Trouxe humanidade ao personagem que começou com ares de vilão e chegou ao fim com bom envolvimento do público.

 

Iano Salomão (Ismael) – o ator encarna com intensidade, através do olhar, o “primogênito” de Abraão, Ismael. Ótimo trabalho que permanece nos atuais capítulos.

Hylka Maria (Agar) – a atriz se destacou, principalmente, na fase de Abrão no Egito. Ótimo trabalho.

Virginia Cavendish (Najila) – a atriz sempre passa o ar de realeza em “Gênesis”. A sua postura engrandece a figura da rainha de Gerar.

Mario Bregieira – o ator chamou a atenção ao interpretar a fase jovem do personagem Gate.

Danilo Sacramento e Jessica Juttel – os atores formaram um dos casais mais queridos de Gênesis. A “cabritinha” e o “bode velho”, ou melhor, Manre e Michal na fase jovem.

 

PONTOS NEGATIVOS

Sucessão repentina de fases – Dentro da fase Abraão, ocorreram sucessivas trocas de fases e, consequentemente, de elenco. Alguns continuaram envelhecidos. Outros personagens envelheceram demais com a troca do ator/atriz. O telespectador ficou perdido com as mudanças constantes, principalmente nas histórias paralelas. O hábito foi quebrado incessantemente.

Batalha de Hobá – Diante da pandemia, a RecordTV/Casablanca não conseguiu gravar a Batalha de Hobá, passagem importante de Abrão. Apenas “sugeriram” o confronto.

Fabio Maksymczuk

- Publicidade -

Olá, internautas

Siga-nos no     Whatsapp    Facebook     Twitter / X    

“Gênesis” continua com bons índices de audiência pela Record TV. A trama normalmente gira ao redor da casa dos 13 pontos de média, o dobro do patamar alcançado pelo SBT. A novela de Camilo Pellegrini, Raphaela Castro e Stephanie Ribeiro com direção-geral de Edgard Miranda ganhou bom desenvolvimento na fase Abraão que foi antecedida por Ur de Caldeus.

Os autores tangenciaram a “subversão” de Sodoma e Gomorra e não entraram diretamente na questão da homossexualidade que poderia render polêmicas. A novela reúne centenas de atores e atrizes. Na fase Abraão, até Sula Miranda ganhou uma oportunidade ao interpretar a sacerdotisa Quirá.

- Advertisement -

Seguem os pontos positivos e negativos desta fase.

PONTOS POSITIVOS

Zécarlos Machado (Abrão/Abraão) – o ator protagonizou a fase Abraão com brilhantismo. O telespectador, até o presente momento, vive o luto do personagem.

Adriana Garambone (Sarai/Sara) – a atriz formou uma boa dupla com Zécarlos Machado em “Gênesis”. Os dois já tinham atuado juntos em “Os Dez Mandamentos”. O bom entrosamento apareceu na tela.

Marcos Winter (Massá) – mais um ator que emprestou a sua experiência em “Gênesis”. Trouxe humanidade ao personagem que começou com ares de vilão e chegou ao fim com bom envolvimento do público.

 

Iano Salomão (Ismael) – o ator encarna com intensidade, através do olhar, o “primogênito” de Abraão, Ismael. Ótimo trabalho que permanece nos atuais capítulos.

Hylka Maria (Agar) – a atriz se destacou, principalmente, na fase de Abrão no Egito. Ótimo trabalho.

Virginia Cavendish (Najila) – a atriz sempre passa o ar de realeza em “Gênesis”. A sua postura engrandece a figura da rainha de Gerar.

Mario Bregieira – o ator chamou a atenção ao interpretar a fase jovem do personagem Gate.

Danilo Sacramento e Jessica Juttel – os atores formaram um dos casais mais queridos de Gênesis. A “cabritinha” e o “bode velho”, ou melhor, Manre e Michal na fase jovem.

 

PONTOS NEGATIVOS

Sucessão repentina de fases – Dentro da fase Abraão, ocorreram sucessivas trocas de fases e, consequentemente, de elenco. Alguns continuaram envelhecidos. Outros personagens envelheceram demais com a troca do ator/atriz. O telespectador ficou perdido com as mudanças constantes, principalmente nas histórias paralelas. O hábito foi quebrado incessantemente.

Batalha de Hobá – Diante da pandemia, a RecordTV/Casablanca não conseguiu gravar a Batalha de Hobá, passagem importante de Abrão. Apenas “sugeriram” o confronto.

Fabio Maksymczuk

Curte o nosso conteúdo? Siga-nos também no:
Telegram    Mastodon     Linkedin
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais notícias

- Publicidade -

Últimas notícias