Band fortalece desgaste do MasterChef com nova temporada

Leia também

Fabio Maksymczuk
Fabio Maksymczukhttp://www.fabiotv.com.br/
Jornalista, membro do júri de TV na APCA, editor do portal FABIOTV, blogueiro e colunista do Além da Tela, com passagem pelo Portal Imprensa (2009/15) e UOL TV Blogs

Na última terça-feira (15/11), a Band apostou em uma nova versão do “MasterChef”. O talent show culinário agora reúne cozinheiros amadores de 60 a 80 anos. A ideia é interessante. Estimula um novo desafio a competidores que esbanjam experiência na cozinha.

Siga-nos:
    Whatsapp    Facebook     Twitter / X    

No programa de estreia, o septuagenário Astro chamou a atenção pelo seu nome e também pelo discurso “xavequeiro”. Erick Jacquin se transformou em muso da terceira idade na seletiva. Grande parte das senhorinhas declarou “amor platônico” para conquistar a simpatia do chef.

- Publicidade -

A maioria logo foi descartada. Dos 20 desafiantes, apenas oito entraram oficialmente na atração da Band. A edição demonstrou cuidado com a participante mais idosa da disputa. A octagenária foi dispensada por ter entregue uma “comida gordurosa”. O bate-papo dos jurados não foi levado ao ar. Ela mesma apresentou o motivo do corte.

Além da novidade do elenco, neste primeiro episódio ocorreu uma mudança significativa na formação do júri composto por Jacquin e Helena Rizzo. Os chefs convidados Mara Salles, Benny Novak e Renata Braune substituíram, nesta estreia, Henrique Fogaça. Isso trouxe um ar de frescor em um programa com formato desgastado.

- Publicidade -

A cada temporada, a repercussão do talent show diminui. Na estreia, “MasterChef+” registrou apenas 1,8 ponto de média. Recorde negativo na audiência entre as estreias de todas as temporadas.

Neste ano, a Band emendou as edições amador, profissional e agora mais de 60. Sem respiro algum. Além disso, a emissora do Morumbi exibiu a disputa gastronômica até 1 da manhã. O telespectador que precisa acordar cedo para enfrentar mais um dia de labuta fica prejudicado.

Fabio Maksymczuk

- Publicidade -

Na última terça-feira (15/11), a Band apostou em uma nova versão do “MasterChef”. O talent show culinário agora reúne cozinheiros amadores de 60 a 80 anos. A ideia é interessante. Estimula um novo desafio a competidores que esbanjam experiência na cozinha.

Siga-nos no     Whatsapp    Facebook     Twitter / X    

No programa de estreia, o septuagenário Astro chamou a atenção pelo seu nome e também pelo discurso “xavequeiro”. Erick Jacquin se transformou em muso da terceira idade na seletiva. Grande parte das senhorinhas declarou “amor platônico” para conquistar a simpatia do chef.

A maioria logo foi descartada. Dos 20 desafiantes, apenas oito entraram oficialmente na atração da Band. A edição demonstrou cuidado com a participante mais idosa da disputa. A octagenária foi dispensada por ter entregue uma “comida gordurosa”. O bate-papo dos jurados não foi levado ao ar. Ela mesma apresentou o motivo do corte.

- Advertisement -

Além da novidade do elenco, neste primeiro episódio ocorreu uma mudança significativa na formação do júri composto por Jacquin e Helena Rizzo. Os chefs convidados Mara Salles, Benny Novak e Renata Braune substituíram, nesta estreia, Henrique Fogaça. Isso trouxe um ar de frescor em um programa com formato desgastado.

A cada temporada, a repercussão do talent show diminui. Na estreia, “MasterChef+” registrou apenas 1,8 ponto de média. Recorde negativo na audiência entre as estreias de todas as temporadas.

Neste ano, a Band emendou as edições amador, profissional e agora mais de 60. Sem respiro algum. Além disso, a emissora do Morumbi exibiu a disputa gastronômica até 1 da manhã. O telespectador que precisa acordar cedo para enfrentar mais um dia de labuta fica prejudicado.

Fabio Maksymczuk

Curte o nosso conteúdo? Siga-nos também no:
Telegram    Mastodon     Linkedin
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas notícias