“Amor Perfeito” estreia com mau desenvolvimento

Leia também

Fabio Maksymczuk
Fabio Maksymczukhttp://www.fabiotv.com.br/
Jornalista, membro do júri de TV na APCA, editor do portal FABIOTV, blogueiro e colunista do Além da Tela, com passagem pelo Portal Imprensa (2009/15) e UOL TV Blogs

Nesta semana, a TV Globo estreou “Amor Perfeito”. A nova novela das seis, assinada por Duca Rachid e Júlio Fischer com direção artística de André Câmara, apresentou uma primeira fase com mau desenvolvimento.

Siga-nos:
    Whatsapp    Facebook     Twitter / X    

Em ritmo acelerado, as histórias foram jogadas de uma maneira fugaz. Marê (Camila Queiroz) e Orlando (Diogo Almeida), o casal protagonista, mal se esbarraram, apaixonaram, separaram abruptamente e até uma repentina gravidez passou pelos capítulos.

- Publicidade -

Olimpia (Analu Prestes), uma das personagens mais queridas nesta primeira semana, morreu abruptamente. De uma hora para outra. O telespectador ficou pouco envolvido com a trama. O mesmo ocorreu com “Travessia” que, até hoje, colhe os maus frutos dos primeiros capítulos mal desenvolvidos.

Todas o desenrolar da apresentação dos personagens e suas tramas deveria ser destrinchado em duas semanas. E não apenas em quatro capítulos. A estratégia de “Vai na Fé”, com os flashbacks que contextualizam o passado dos protagonistas, dentro da narrativa, poderia ter sido empregada.

- Publicidade -

O início da nova novela das seis lembra “Além da Ilusão”. Mesmo período histórico. Assassinato. Tiroteio. Julgamento. Tribunal. Prisão injusta. Desencontro amoroso.

“Amor Perfeito” iniciou com andamento imperfeito.

Fabio Maksymczuk

Foto: Globo/João Miguel Júnior

- Publicidade -

Nesta semana, a TV Globo estreou “Amor Perfeito”. A nova novela das seis, assinada por Duca Rachid e Júlio Fischer com direção artística de André Câmara, apresentou uma primeira fase com mau desenvolvimento.

Siga-nos no     Whatsapp    Facebook     Twitter / X    

Em ritmo acelerado, as histórias foram jogadas de uma maneira fugaz. Marê (Camila Queiroz) e Orlando (Diogo Almeida), o casal protagonista, mal se esbarraram, apaixonaram, separaram abruptamente e até uma repentina gravidez passou pelos capítulos.

Olimpia (Analu Prestes), uma das personagens mais queridas nesta primeira semana, morreu abruptamente. De uma hora para outra. O telespectador ficou pouco envolvido com a trama. O mesmo ocorreu com “Travessia” que, até hoje, colhe os maus frutos dos primeiros capítulos mal desenvolvidos.

- Advertisement -

Todas o desenrolar da apresentação dos personagens e suas tramas deveria ser destrinchado em duas semanas. E não apenas em quatro capítulos. A estratégia de “Vai na Fé”, com os flashbacks que contextualizam o passado dos protagonistas, dentro da narrativa, poderia ter sido empregada.

O início da nova novela das seis lembra “Além da Ilusão”. Mesmo período histórico. Assassinato. Tiroteio. Julgamento. Tribunal. Prisão injusta. Desencontro amoroso.

“Amor Perfeito” iniciou com andamento imperfeito.

Fabio Maksymczuk

Foto: Globo/João Miguel Júnior

Curte o nosso conteúdo? Siga-nos também no:
Telegram    Mastodon     Linkedin
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas notícias